domingo, 28 de junho de 2015

'Fora do Ar' com Wellington Raulino, o Xerife

Posted at  00:04:00  |  in  #Fora do Ar

Voltamos com mais uma entrevista na coluna Fora do Ar. O entrevistado da vez é Wellington Raulino, também conhecido como Xerife, é apresentador, jornalista e radialista com larga carreira de 27 anos em atuação. Agradecemos desde já a sua disponibilidade para conversar com nossa equipe.


Wellington Raulino, você iniciou sua carreira na década de 80 ainda no rádio, especificamente na rádio São José dos Altos. Como surgiu essa oportunidade?
Eu tinha apenas 16 anos de idade quando a minha tia, Elvira Raulino, inaugurou a rádio. Logo no primeiro contato com estúdio me apaixonei, mas fui reprovado no teste feito com a fonoadióloga. Não desisti e fiquei frequentando a rádio até a Elvira ficar com pena de mim e me arrumar um horário no domingo. E lá se vão 27 anos...

Se você tivesse de escolher entre rádio ou televisão, qual você escolheria?
Sem dúvida a televisão. Acho que o rádio perdeu um pouco o glamour, principalmente por causa das emissoras que só tocam as músicas dos artistas que pagam jabá ou fazem shows quase de graça para elas.

Como surgiu a paixão pelo jornalismo?
Não tem como não se apaixonar. No jornalismo você se sente útil, contribui para uma sociedade melhor. O mundo seria outro se não fosse a imprensa. É bom fazer parte disso, mas às vezes a paixão não é correspondida já que todos os veículos são de empresários que tem seus interesses e as vezes somos usados por eles.

Wellington, você já foi usado por interesse por algum dono de emissora de TV?
Todo mundo é. Manda o governo atrasar o pagamento de uma TV pra ver se um repórter não é pautado pra fazer uma matéria contra (o governo). Uma vez eu fiz uma matéria com o filho de um desembargador que foi preso fazendo cavalo-de-pau, quase sai no tapa com o cara. Quando cheguei na redação o diretor me tomou a fita e ligou para o desembargador vendendo o prestígio. Graças a Deus que esse picareta foi banido do jornalismo.


Você já trabalhou na TV Cidade Verde, TV Antena 10 e recentemente na TV Meio Norte. Em qual dessas emissoras se sentiu mais a vontade?
Me senti a vontade em todas, mas acho que a TV Meio Norte marcou mais a minha vida. Foram quase 15 anos e trabalhei na época de ouro da TV piauiense, só pra ter uma idéia, a TV sustentada pelo bingo "Poupa Ganha" tinha profissionais como Donizette Adalto, Carlos Moraes, Silas Freire, Marcos Teixeira, Laércio Andrade, Francinito Loureiro, Edna Maciel, Maia Veloso, Arimatéia Azevedo, e muitos outros.

Qual foi o motivo de sua saída da TV Meio Norte?
Me convidaram para um projeto e mudaram tudo. Não estava me sentindo a vontade no Patrulha. O programa estava sem conteúdo, era só telefonema, estava me sentindo um operador de telemarketing, (risos). Tem uma hora que a gente tem que de se impôr para não se queimar. Construi um nome ao longo de 27 anos. Mereço coisa melhor!


Como era sua relação com o apresentador Paulo Brito?
O Paulo Brito é um fenômeno no rádio, mas na TV é outra coisa. Ele não se solta. E acho que ele muitas vezes desrespeita o telespectador, alguns que estão ligados no programa por minha causa. Tinha dia que a gente fazia o programa sem se cumprimentar. Pra mim nem fede, nem cheira.

Recebeu propostas de outras emissoras de TV? Quais?
Eu estava disposto a deixar a imprensa do Piauí, mas um dos maiores nomes da TV me chamou para um projeto, que com ele se for adiante vai ser a maior bomba da imprensa do Piauí.

O que mais te satisfaz na sua profissão?
Ser parado nas ruas, abraçado pelas pessoas, e isso faz parte da minha rotina. Também muitas pessoas já chegaram pra mim e disseram que seguiram a carreira de jornalista inspiradas em mim. O Egídio Brito me confidenciou que quando era criança brincava de ser repórter e ele era o Wellington Raulino, (risos) estou ficando velho!

Qual foi o momento mais marcante de sua carreira?
Foram muitos momentos marcantes, mas lembro do caso do bandido Zé Galinha. Todo mundo achava que ele tinha sido morto pela polícia, e eu descobri que o assassino era o próprio irmão dele, ainda consegui uma exclusiva com ele contando os detalhes do crime. Outro fato marcante foi a prisão ao vivo de um falso médico que fazia aborto em uma clínica clandestina. Foi muita adrenalina! E recentemente me emocionei com um documentário apresentado em uma faculdade contando a minha trajetória.


Por Zeke Rodrigues

0 comentários:

Interaja a vontade! Logo, logo o seu comentário será liberado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Quem Somos-Trabalhe Conosco
Copyright © 2013 P8. Blogger Template by Bloggertheme9
Published..Blogger Templates. Powered by Blogger.
back to top